quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

O SURGIMENTO DOS ESTADOS NACIONAIS E O ABSOLUTISMO - 2º ano regular - História

por Cássio Diniz

Ao final da Idade Média a Europa passava por muitas transformações na economia e na sociedade. O aumento da produção de alimentos e bens, o crescimento da população e o ressurgimento do comércio estavam forçando as bases do sistema feudal.

Com o reaquecimento da economia, os senhores feudais (nobres) começaram a aumentar a exploração em cima dos camponeses e artesãos, obrigando-os a pagar taxas e tributos feudais cada vez mais altos. Mas a mentalidade medieval começou a se transformar, e muitos servos diziam não ao aumento da exploração. Começaram então a estourar revoltas de camponeses em várias regiões da Europa. Por todos os cantos havia saques a propriedades feudais e a possibilidade de uma revolução camponesa ameaça profundamente os interesses e privilégios dos senhores feudais.

Havia uma importante questão para a nobreza: Como controlar os camponeses e garantir a estabilidade social? As tropas particulares dos feudos não davam conta separadamente. Somente um poderoso exército nacional poderia reprimir os camponeses e artesãos em vários locais ao mesmo tempo e impor a ordem. Mas havia apenas um jeito para se organizar e sustentar esse tal exército. Era preciso que os nobres se unissem para construir uma organização de caráter nacional que garantisse isso: Essa organização era o Estado Nacional Absolutista.

Para a formação do Estado Nacional, os senhores feudais uniram suas terras em uma nação (normalmente feudos que tinham certa identidade cultural em comum, como idioma e costumes) e abriram mão de seus poderes locais em prol da centralização política sob a figura do rei, que estaria no controle do Estado e teria poderes absolutos sobre a nação. A partir de então ele organizaria um código de leis que valia para o país todo, criaria um imposto unificado e lideraria um exército nacional. Todas essas novidades garantiram a sobrevivência da sociedade feudal e os privilégios da nobreza. Como diria o historiador Perry Anderson “Essencialmente o Estado Absolutista era apenas isto: um aparelho de dominação feudal recolocado e reforçado, destinado a sujeitar as massas camponesas à sua posição social tradicional (...)”.

O regime Absolutista: Como já foi dito, o poder no Estado Nacional ficaria nas mãos do rei. Ele e seus ministros teriam o controle absoluto sobre todo o país. Eles definiriam as leis e os impostos e teriam a palavra final em quase todos os assuntos. Não havia constituição, eleições ou democracia. Este poder absoluto e inquestionável estaria a serviço da manutenção do direito feudal sobre a sociedade. Os nobres não teriam mais o poder direto e subordinavam-se ao Estado e ao rei. Valeu-se o ditado “que vão os anéis e que salvem os dedos!”.

A burguesia: Como vimos anteriormente, a economia crescera graças ao desenvolvimento do comércio na Europa. Os primeiros comerciantes, com suas carrocinhas cheias de produtos pelas estradas e feiras, haviam se transformado em grandes comerciantes que habitavam as cidades autônomas (comunas ou burgos), ganhando o nome de burgueses. Apesar de ainda serem considerados servos e estarem abaixo dos nobres, eles aos poucos adquiriam certo poder econômico neste novo mundo.

A burguesia não teve participação direta e profunda na construção dos Estados Nacionais Absolutistas. Mas tiveram um papel importante. Para os reis era interessante que a burguesia se desenvolvesse. Quanto mais dinheiro ganhava mais impostos pagavam ao Estado. Por isso eles estimularam o crescimento da economia em seus países, contribuindo com os burgueses. Em troca alguns burgueses ajudaram a financiar o projeto de unificação dos reis e nobres contra aqueles que ainda resistiam.
sugestões de leitura

POMER, Leon. O surgimento das nações. São Paulo Editora Atual.
HUBERMAN, Leo. A História da Riqueza do Homem. Rio de Janeiro, Editora Zahar.
Para salvar este texto clique aqui e baixe o arquivo em pdf
clique no link "comentários" para comentar, tirar dúvidas e responder questionários.

2 comentários:

  1. Porf. Sérgio Martins de Oliveira6 de setembro de 2010 10:18

    Excelente texto, contribuiu muito para o meu entendimente relacionado a este assunto.
    Uma linguagem bem acessível para os alunos. Show de bola!!!!

    ResponderExcluir
  2. nossa esse texto é ótimo me ajudou muito.

    ResponderExcluir